Saúde e Meio ambiente

 Meio Ambiente e Saúde de mãos dadas

meio ambiente

Pesquisa do IBGE de maio deste ano apontou o Rio de Janeiro como o estado que menos investe em saúde, com 7,2% do orçamento. Com baixos investimentos, não é possível promover saúde para grandes parcelas da população que vivem expostas a péssimas condições de moradia e saneamento, e submetida a um sistema de transporte que contribui para o adoecimento geral. A saúde tem relação direta com o meio-ambiente. Além da garantia de um sistema de saúde público, gratuito e universal, é preciso pensar políticas públicas de forma integrada com as condições sociais e ambientais. O modelo de desenvolvimento predatório em curso no Rio de Janeiro tem promovido verdadeiros desastres ambientais e sanitários. Por isso, defendemos a fiscalização da atuação dos grandes empreendimentos que comprometem a saúde ambiental do nosso estado e lutamos por outro modelo de desenvolvimento, que elimine as injustiças ambientais e promova o bem viver da maioria da população. Política pública ancorada no conceito ampliado de saúde: esse é o nosso objetivo.

Algumas de nossas propostas e compromissos de luta:

Fortalecer o SUS tendo como foco a ampliação da rede básica e a coordenação do sistema em seus diferentes níveis, respeitando o mínimo constitucional de 12% do orçamento.

-Conter o avanço do desmatamento e da urbanização das áreas de preservação do estado do Rio. Respeitar as populações tradicionais, estimular a agroecologia e a pesca artesanal.

– Universalização do acesso à água, coleta e tratamento de esgoto; p ela CPI da Baía de Guanabara, com o objetivo de apurar os 4 bilhões de reais gastos nos últimos 12 anos

– Fiscalização dos impactos dos mega-empreendimentos com grandes impactos sociais e ambientais como Thyssenkrup Companhia Siderúrgica do Atlântico (TKCSA), Porto do Açu e o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

-Fortalecimento da política de saúde mental, com ampliação dos recursos de forma exclusiva para a rede pública.