Home > Notícias > Direitos Humanos > Estudantes participam de audiência pública sobre estupros na UFRRJ

Estudantes participam de audiência pública sobre estupros na UFRRJ

No dia 13/4, estudantes da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) que compõem o Coletivo Me Avisa Quando Chegar participaram de audiência pública na ALERJ para tratar das denúncias de casos de estupro no campus de Seropédica e cobrar respostas da reitoria e dos órgãos públicos presentes.

A mobilização das estudantes na Rural demonstra o caráter epidêmico da violência sexual contra as estudantes em campus universitários e, ao mesmo tempo, uma incapacidade institucional das universidades em acolher as alunas, conduzir investigações e tomar as medidas cabíveis para criar um ambiente seguro para as estudantes. O resultado é uma validação implícita do comportamento de predação sexual por parte de homens jovens e adultos nas universidades e o cerceamento dos direitos e liberdades mais básicas das estudantes mulheres.

No caso da Rural, as estudantes apontaram a insegurança das mulheres na universidade, agravada pela falta de iluminação e de transporte público seguro que as deixe dentro da universidade para evitar que percorram longos caminhos desertos e escuros sozinhas, tendo em vista que o trecho hoje é monopolizado pela empresa Real Rio.
Além disso, demandaram a reabertura do concurso da guarda universitária, deixando claro que não acreditam que colocar a polícia militar dentro da universidade seja a solução para o quadro de violência sexual e ameaça constante que sofrem, apontando pro risco de militarização do ambiente universitário.

As estudantes também denunciaram a inércia da reitoria e dos órgãos internos da Universidade em lidar com os casos, o que permite a continuidade e agravamento do quadro generalizado de violência sexual contra as estudantes. Nesse sentido, cobraram da reitoria a reabertura das sindicâncias instauradas por conta de abusos, a expulsão dos estupradores do corpo discente e técnico da universidade, a criação e manutenção de espaços de diálogo efetivos entre universidade e estudantes mulheres, a publicação da nota do Coletivo Me Avisa Quando Chegar no jornal institucional da universidade (o “Rural Semanal”, que ignorou o a mobilização das estudantes) e a mudança do código disciplinar da universidade para tratar do tema, que está para ser alterado desde 2014.

As assessoras da ‪#‎EquipeFlavioSerafini‬ acompanharam a audiência pública e vão monitorar os encaminhamentos dados pela ALERJ. Basta de violência contra a mulher! Queremos universidades seguras para as mulheres!

“Companheira me ajuda, que eu não posso andar só.
eu sozinha ando bem, mas com você ando melhor!”