Home > Deu na Mídia > Deu na mídia

Deu na mídia

Rio, a cidade Olímpica de Carlos Carvalho

Por Mariana Medeiros – assessora parlamentar da Liderança do PSOL -RJ

Em tempos de economia em crise, o nome do magnata imobiliário Carlos Carvalho, dono da empreiteira Carvalho Hosken, vem aparecendo muito na mídia. Numa matéria do Jornal O Globo[1], depois em duas entrevistas: uma para a BBC[2] e outra no The Guardian[3]. A mais recente é uma notícia na Revista Exame[4], que divulga a colocação do empresário em 13o lugar no ranking das pessoas mais ricas do Brasil.

Uma das três empreiteiras que compõem o Consórcio Rio Mais, responsável pela construção do Parque Olímpico, através de uma parceria público privada na modalidade de concessão administrativa (quando o Poder Público remunera integralmente o parceiro privado pelas obras), a Carvalho Hosken está associada à Odebrecht e à Andrade Gutierrez.

Essas mesmas três empreiteiras realizaram o estudo de viabilidade do Parque Olímpico, a pedido da Prefeitura, antes de vencerem o processo de licitação pública. Isto mesmo, este estudo foi elaborado com a promessa de remuneração após a realização da licitação, mesmo que não fossem vencedoras. Num claro processo de favorecimento às componentes do Consórcio Rio Mais.

Ainda, a Caixa Econômica Federal emprestou mais de R$ 1,14 bilhão para o Consórcio, que passará a ser dono de 75% das terras públicas do Parque Olímpico após as Olimpíadas[5]. Vale dizer, que o empréstimo feito com verbas públicas foi contabilizado na colocação do empresário Carlos Carvalho no ranking das maiores fortunas brasileiras, e também mundiais.

A Carvalho Hosken é a grande proprietária da maioria das terras do entorno do Parque Olímpico – na chamada Barra Olímpica -, ou seja, a maior beneficiária da valorização imobiliária gerada pelo empreendimento. O Rio 2 foi construído pela empreiteira e o Ilha Pura também está sendo. Este último empreendimento, também chamado de Vila dos Atletas, está envolvido num escândalo, investigado pelo Ministério Público do Trabalho, de existência de condições análogas à escravidão de seus trabalhadores. Todos eles, inclusive o Parque Olímpico, gerando graves impactos ambientais na Lagoa de Jacarepaguá. Isto sem mencionar o envolvimento da Carvalho Hosken no complicado contexto fundiário da Barra da Tijuca, em escândalos de grilagem de terras.

Mas os impactos mais graves são sofridos pelas comunidades que estão no caminho desse megalomaníaco projeto de elitização da área de expansão da Barra. A Vila Autódromo vem resistindo bravamente, mas diversas outras comunidades foram removidas de forma truculenta. A Prefeitura atua ativamente para beneficiar os interesses imobiliários privados. Apesar dos grandes argumentos para realização de parecerias público-privadas serem a economicidade para os cofres públicos e a eficiência na terceirização das obras. Além de pagar a conta, a Prefeitura faz o trabalho sujo, tratorando – literalmente – os pobres para longe. Por isso, o empresário Carlos Carvalho não tem vergonha de dizer que os territórios onde estão localizadas suas terras não são para pobre.

Com tudo isso, não é difícil responder às perguntas dos movimentos sociais que denunciam as violações de direitos humanos cometidas em nome dos megaeventos levados à cabo no Rio: Cidade, olimpíadas e legado para quem?

Cai Eike Batista, emerge Carlos Carvalho. Mesmo assim a bela luta pela permanência de comunidades autoconstruídas e auto-urbanizadas como a Vila Autódromo – que está bem ali no meio disso tudo, ao lado do Parque Olímpico – faz a música da banda El Efecto continuar muito atual: Ai que, há que resistir![6]

 

 

 

[1] Disponível em: http://oglobo.globo.com/rio/com-as-olimpiadas-barra-da-tijuca-avancara-30-anos-afirma-dono-da-carvalho-hosken-16548795

[2] Disponível em: http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/08/150809_construtora_olimpiada_jp

[3] Disponível em: http://www.theguardian.com/sport/2015/aug/12/o-empresario-carioca-na-esperanca-de-um-legado-olimpico-proprio-de-bilhoes

[4] Disponível em: http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/dono-de-empreiteira-se-torna-13a-pessoa-mais-rica-do-brasil

[5]  Mais informações sobre o complicado processo de licitação do Parque Olímpico disponíveis neste trabalho acadêmico (minha dissertação de mestrado):  http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=8672

[6] Escute a bela canção de resistência aqui: https://www.youtube.com/watch?v=2F-ZYs2NlYU