Home > Notícias > Justiça Socio Ambiental > Sede da associação de pescadores da Zacarias pode ser tombada como patrimônio do estado do Rio

Sede da associação de pescadores da Zacarias pode ser tombada como patrimônio do estado do Rio

cartaz_logo_zacarias_pNesta terça-feira, dia 30/6, foi protocolado o tombamento por interesse histórico, artístico e cultural da sede da associação comunitária de cultura e lazer dos pescadores de Zacarias (Acclapez), localizada no município de Maricá. A aprovação deste projeto fará do espaço patrimônio histórico e cultural do estado do Rio de Janeiro. Isso assegura que ficará proibida qualquer destruição ou descaracterização da sede, tal qual construção ou demolição de qualquer edificação que altere a ambiência do seu exterior.

 

Atualmente, a comunidade tradicional de Zacarias enfrenta a ameaça de construção de um megaresort pela empresa IDB Brasil Ltda., que faz parte de um grupo transnacional do ramo da mineração e construção civil, que prevê a construção de um centro empresarial e comercial, dois shopping centers, quatro hotéis, 6.298 unidades residenciais, dois campos de golfe, um centro hípico, entre outras construções.

 

As famílias de pescadores reunidas em torno da Associação Comunitária de Cultura e Lazer dos Pescadores de Zacarias (ACCLAPEZ), movimentos sociais e entidades de pesquisa denunciam as diversas irregularidades do empreendimento. Mesmo assim, o licenciamento segue adiante. A  gravidade dos fatos e o risco colocado à restinga e à comunidade tradicional de Zacarias levaram o Ministério Público a recomendar a revogação da licença prévia concedida pelo INEA. “O povo sabe que a construção do megaresort significa a privatização da restinga de Maricá, a sua degradação, a expulsão e descaracterização da comunidade tradicional de Zacarias. Sabemos também que o resort faz parte de um pacote de megaempreendimentos que os governos estadual e municipal pretendem instalar em Maricá: o porto de Jaconé, o emissário de despejos petroquímicos do COMPERJ, o gasoduto da Petrobras, entre outros. Esses projetos impõem um tipo de ‘desenvolvimento’ que já deixou seu rastro em outras cidades do estado”, explica a assessora parlamentar o mandato coletivo Flavio Serafini, Cecilia Vieira.