Home > Destaques > Papo Reto | Ivo Poletto

Papo Reto | Ivo Poletto

papo_reto_ivo-01

Quais são os principais fatores que fizeram as mudanças climáticas e  em que contexto estamos hoje?

Mudanças climáticas aconteceram em toda a história da terra, mas elas aconteceram em um contexto muito diferente do que estamos vendo hoje.  Nós temos que caracterizar essas. E toda a pesquisa que se tem feito é o que há diferente é que com o processo de industrialização e o domínio da lógica industrial em todos os setores da vida, inclusive na agricultura, fizeram com que se utilizassem fontes de energia que liberam para atmosfera gases, que, a princípio, são nossos amigos, porque guardam calor para que não morramos de frio quando não estamos expostos ao sol, só que, aumentando relativamente a sua quantidade, isso provoca um processo de aquecimento. Esse aquecimento está ligado com tudo que mantém o ambiente, por isso provoca mudanças no que chamamos de clima. Seja a chuva, as águas dos oceanos, todo o problema da seca etc. é isso que chamamos de mudanças climáticas que são provocadas por ações de humanos, não de todos os humanos, que implementaram um processo chamado desenvolvimento, mas, que, na verdade, é crescimento econômico concentrado explorando recursos da natureza.

E quais alternativas a esse modelo de desenvolvimento sem impactar a natureza?

Uma mudança qualitativa do próprio sistema de vida, da forma de vida que nós temos. Se nós quisermos de fato retomar uma convivência com a terra, como fonte de nossa vida e de todas as formas de vida, precisamos mudar o modo de vida. E ele só pode ser mudado se, de fato, nós encontrarmos maneiras de produzir aquilo que necessitamos para viver. Não podemos continuar com esse modo de vida que superexplora os recursos da natureza, transformando tudo em oportunidade de negócio, e desequilibra o planeta. No caso, temos que ver ações concretas desde da nossa vida cotidiana em nossas casas, mas ver na relação desses espaços concretos que nos damos, com a maneira que se produz os alimentos, por exemplo. E então, temos que optar por maneiras de cultivo, de cuidado, e de produção de saúde. Tem que ser um solo saudável, com semente saudável, com produtos que trazem saúde para nós. E isso não vai vir a cultura industrializada que é do agronegócio. mas também temos que mudar lá, mas também temos que mudar nossa relação com o uso de energia, temos que mudar, inclusive, a nossa maneira de vida nas áreas urbanas. Precisamos reagir a este tipo de cidade que foi montada para atender aos interesses desse sistema econômico que também é a causa as principal das mudanças climáticas. O conjunto de mudanças são complexas, não podem sersó locais, mas  se não começam em cada local, não podem acontecer em casos globais.

 

Como podemos começar a partir de agora?

Precisamos retomar o direito de todos na cidade, que começa, inclusive, o direito de todos ter acesso ao solo da cidade. E tendo solo, que não seja só o espaço de ter uma casinha, que é como faz hoje no projeto Minha Casa, Minha Vida para que tenha espaço pra cultivar nossa alimentação e existência. Na área da educação também seria importante algumas mudanças. Ss escolas deveriam contribuir para que os jovens e as crianças possa recuperar a relação com a terra, com os alimentos, com os animais. Uma modificação modificada, ligada à situação concreta da vida e abrindo os olhos das crianças e jovens não só para fazer pequenos gestozinhos, que são importantes, mas que são fonte de um grande caminho para um transformação que salve todas as formas de vida em todo o planeta. O outro exemplo é a questão de energia. Nada nos impede, que mesmo nos espaços urbanos, passemos a produzir a energia que consumimos. Além disso, o planejamento de bairros novos para gastar o mínimo e produzir o máximo. Ver material de construção das casas, ver a inclinação que devem ter, a orientação das aberturas para que circulem os ventos, evitando que elas sejam quentes demais e produzindo através do sol que aí cai, a energia que precisa, os ventos, isso daria maior autonomia das famílias em comunidades, inclusive maior participação, interação entre as famílias, mais comunidade de vida. Há possibilidade de fazer energia de maneira diferentes. podemos nos dar conta mudanças de política energética a partir desses elementos naturais  que poluem bem menos.