Home > Conteúdo > Artigos > Requisito da democracia – O Dia, em 15/03/15

Requisito da democracia – O Dia, em 15/03/15

Um tema dos mais importantes esteve ausente nos protestos: a crise do sistema educacional brasileiro

O DIA

Rio – Nas grandes manifestações deste ano, ou de apoio a Dilma ou, capitaneadas por um sentimento conservador, pedindo o “impeachment” da presidenta, um tema dos mais importantes esteve ausente: a crise do sistema educacional brasileiro. O quadro se agravou no começo do segundo mandato dela, cujo lema é “Pátria Educadora”. Numa grande contradição com o discurso oficial, o governo federal fez corte de R$ 7 bilhões apenas neste ano, forçando as universidades a adiar as aulas, pois sequer tinham recursos para abrir as portas.

Por causa dos cortes de um terço do orçamento da UFRJ, o que culminou em mais uma greve dos terceirizados, adiou-se o início das aulas do CAp-UFRJ em quase um mês e de toda a UFRJ por duas semanas. As bolsas também já começaram a ser cortadas: o auxílio mensal dos cotistas, que era de R$ 400 mensais mais vale-transporte, passou a ser de apenas uma parcela anual de R$ 800 — ou apenas R$ 66 por mês, valor irrisório diante do alto custo de vida no estado.

Para 2015, a rede estadual de Educação será destino de apenas 5,74% do Orçamento, tendo sofrido corte de R$547 milhões. Não é sem razão que, em fevereiro, 110 professores abandonaram a rede. Igualmente é compreensível o grande número de licenças por estresse e depressão. O problema é grave. Ano passado, mais de 1.200 profissionais se afastaram devido a problemas relacionados à saúde mental.

No Ensino Superior estadual, a situação não é diferente. As universidades estaduais tiveram corte de R$ 144 milhões, também com adiamento no pagamento a terceirizados. O CAp-Uerj até hoje não retomou suas aulas regularmente: apenas as turmas do 3º ano do Ensino Médio estudam com a grade completa.

O momento é de fortalecermos um caminho para pavimentar uma refundação democrática da República, cada vez mais em frangalhos, recolocando a Educação em primeiro plano, de onde ela nunca deveria ter saído.

Flavio Serafini é deputado estadual pelo Psol