Home > Notícias > Direito à Cidade > Em defesa de Niterói

Em defesa de Niterói

Niterói_bay_and_contemporary_musemFlavio Serafini é convidado pela prefeitura de Niterói para debater problemas importantes da cidade e reforça suas posições

Nesta quarta-feira, dia 25 de fevereiro, o deputado Flavio Serafini participou de uma reunião convocada pela Prefeitura de Niterói com os outros três deputados estaduais que residem na cidade (Waldeck Carneiro, do PT, Tânia Rodrigues, do PDT, Comte Bittencourt, do PPS). O motivo do encontro era para discutir pontos importantes para Niterói, além de outros municípios como a implantação de um BRT no lugar da tão esperada linha 3 do Metrô, que ligará a praça Arariboia, no centro de Niterói a Guaxindiba, em São Gonçalo; a questão dos índices de violência; e os problemas em relação ao serviço de distribuição de energia, mais especificamente sobre a concessionária Ampla S/A.

“O mandato decidiu de maneira coletiva participar do espaço para que pudesse expor nossa posição e apresentar nossas pautas, mantendo a posição de independência característica do nosso PSOL. Não participaríamos de qualquer proposta de união com aqueles aos quais fazemos oposição programática, como o PT, PDT e PPS, pois em nossa avaliação estes partidos estão entre os principais responsáveis pelas dificuldades que assolam nossa cidade”, explicou Flavio Serafini.

Confira os pontos propostos pelo mandato:

  1. Defendemos o início imediato das obras da Linha 3 do Metrô. Esta obra, que já foi adiada inúmeras vezes, deveria ter sido concluída no final do ano passado, tendo em vista a anunciada liberação de recursos do Governo Federal ainda em 2012. A construção do BRT em substituição ao projeto inicial, é, na verdade, um adiamento do problema. Enquanto o BRT transporta 20 mil passageiros por hora, o metrô poderia transportar 60 mil, sendo ainda um dos transportes que menos polui e de melhor qualidade;

 

  1. Reafirmamos nossa defesa de uma política integrada na área de segurança pública, que congregue o policiamento comunitário, o respeito aos direitos humanos e a atuação investigativa. Sem mudarmos radicalmente a atual política de segurança, para uma que tenha como pilares o respeito à dignidade humana e defesa do direito à vida, e ampliação de investimentos em amplas áreas da política pública, de forma integrada e transversal, a violência que atinge nossa cidade continuará sendo um dos nossos principais problemas estruturais. Segundo o ISP, só nos últimos dois anos (2013 e 2014), Niterói teve 201 homicídios contabilizados, além de 298 desaparecimentos e 63 autos de resistência, índices inaceitáveis para uma cidade de cerca de 500 mil habitantes;

 

  1. Reforçamos nossas críticas à privatização da energia em nosso estado. A Ampla S/A é responsável pelo abastecimento energético a 66 municípios do Rio de Janeiro, 75% dos municípios de todo o estado. A empresa, que faz parte de um conglomerado internacional, só visa o lucro, em detrimento do direito social. Só podemos ter avanços no atual modelo, isto é, com a saída da AMPLA S/A por quebra de contrato devido aos desrespeitos recorrentes ao consumidor.