Home > Notícias > Direito à Cidade > O clientelismo precisa acabar em Niterói

O clientelismo precisa acabar em Niterói

clientelismo

Em Niterói, infelizmente a política parece mais uma “dança das cadeiras”, na qual a maioria dos candidatos só muda de posição um com o outro, mas suas alianças continuam.  Felipe Peixoto (PDT), que foi candidato a Prefeito de Niterói em 2012, agora apoia Pezão (PMDB) para Governador, que por sua vez tem como base de sustentação sua aliança com o Prefeito Rodrigo Neves (PT); Rodrigo Neves apoia Waldeck (PT), que agora faz campanha com Sergio Zveiter (PSD), que foi candidato a Prefeito contra o PDT e o PT nas eleições passadas. Mas o PT por sua vez apoia para presidente Dilma que também é apoiada por Garotinho (PR), mas o PT tem como candidato a Governador Lindberg (PT).  Além das proximidades nas alianças políticas, todas estas campanhas são milionárias, apostando em cabos eleitorais pagos e enxurrada de materiais e placas.

Esta velha política, pautada na troca de favores e alianças por cargos, teve sua maior expressão no aumento das passagens de ônibus e das barcas, mesmo após as grandes manifestações de junho de 2013. O absurdo preço das passagens de R$3,00 nos ônibus e R$4,80 nas barcas (em especial se levarmos em consideração as distâncias percorridas), combinados com os péssimos serviços, acaba por enfraquecer o transporte público como alternativa, piorando o trânsito e aumentando o custo de vida da maioria.

 Os atuais governantes apostam que com o poder do dinheiro e das alianças não precisam levar em consideração as demandas da população, que continua a não ser ouvida. A saúde está cada vez mais precária e privatizada, a educação pública continua sem investimentos reais, e a política de segurança só nos leva ao caminho da guerra e da morte. Precisamos de uma mudança de verdade.

 Nós acreditamos que a participação direta da população, através da democracia real, deve ser a tônica de um governo, e não o clientelismo. Não devemos escolher entre um que é “muito clientelista e rouba”, e outro que “é clientelista, rouba menos, mas tem amigos milicianos”. Precisamos fazer a diferença, apostar na força de nossa população e da conscientização cidadã. O dia 5 de outubro precisa ser um dia de mobilização por um novo tempo, no qual o interesse da maioria da população seja respeitado, e que a velha política clientelista seja derrotada.

Tanto em Niterói quanto no resto de nosso Estado, precisamos afirmar que existe sim alternativa. Não precisamos escolher entre o “ruim” e o “muito ruim”. É hora de fortalecer  uma verdadeira nova cultura política em nossos corações e mentes.  Que os ventos de junho soprem a favor!

Flavio Serafini, Professor da EPSJV-Fiocruz, foi candidato a Prefeito de Niterói em 2012, e é candidato a Deputado Estadual (PSOL) 

You may also like
Em defesa dos moradores do Conjunto Zilda Arns, MPF entra na Justiça contra CEF e Prefeitura de Niterói
Quem tem medo do debate de “Gênero”?
Comissão de Direitos Humanos realiza Audiência Pública no Condomínio Zilda Arns